Nilo - O Rei dos Rios

Palco de diversos momentos na história do Egito e sua civilização.
O Nilo nasce a sul da linha do Equador e deságua no mar Mediterrâneo. É tão grande que sua bacia (de 3 349 000 km²), abrange, além do Egito, Uganda, Tanzânia, Ruanda, Quénia, República Democrática do Congo, Burundi, Sudão, Sudão do Sul e Etiópia. 
Seu comprimento é de 7 008 km a partir da fonte mais remota. 
O rio é formado pela confluência de três outros, o Nilo Branco, o Nilo Azul e o Rio Atbara. Também possui cataratas e barragens ao longo de seu curso. Obviamente, sendo tão grande, foi (e ainda é) bastante explorado.
A palavra Nilo é oriunda do latim Nilus que deriva do grego Neilos, os egípcios chamavam o rio Nilo de
Aur ou Ar, que significa “negro”. No decorrer da história, o rio Nilo sempre desempenhou um papel fundamental para diversas nações, especialmente para a civilização egípcia.

Kom Ombo Nilo
Diante da gigantesca importância desse recurso hídrico para o território do Egito, o historiador grego Heródoto, no século V A.c, declarava “O Egito é a dádiva do Nilo”.

O Nilo é tão importante para o Egito que grande parte da população, cerca de 90%, encontra-se estabelecida em suas margens.
A capital do Egito, Cairo, está situada às margens do Nilo, essa cidade abriga aproximadamente 9,5 milhões de pessoas.

A origem da civilização egípcia teve início há aproximadamente 5 mil anos, para o desenvolvimento da agricultura, em uma área de deserto, o Egito sempre foi dependente do ciclo do rio, com cheias e vazantes.
Nos períodos de cheias as águas do rio levavam consigo uma grande quantidade de sedimentos que eram distribuídos ao longo de suas margens, assim, quando chegava a época das vazantes, as águas abaixavam e deixavam no solo uma enorme quantidade de nutrientes importantes para sua fertilidade, como o húmus. A partir desse processo natural essa sociedade pôde desenvolver o cultivo de cereais que compunham a alimentação.

Apesar da fundamental importância do ciclo do rio para a fertilização dos solos situados nas margens, em 1971 foi construída a represa de Assua. A partir desse empreendimento o rio alterou o seu regime, o que resultou na perda dos períodos de cheias e vazantes, impedindo o processo natural de fertilização do solo, levando os produtores a fazer uso cada vez maior de insumos agrícolas no cultivo.

Em virtude da grandeza dessa obra arquitetônica, que possui 3.600 metros de comprimento e 115 m de altura, uma enorme quantidade de água foi represada, formando o lago Nasser e inundando grandes riquezas arqueológicas. Algumas dessas riquezas foram salvas por meio de difíceis processos, esculturas e templos foram cortados em centenas de pedaços e retirados do lugar para serem reconstituídos em outro local.

 A importância do Rio Nilo no Antigo Egito
  •     A agricultura ganhava “chuvas” de junho a setembro (período das cheias), desencadeando um fenômeno curioso: o Nilo transbordava, mas fertilizava o solo depositando matéria orgânica (húmus) naquela área desértica. Essa era basicamente a principal importância do Rio Nilo para o Egito.
  •     A pesca também era uma atividade presente. Os peixes eram abundantes do rio, servindo para o comércio e a alimentação do próprio povo.
  •     O rio, de forma indireta, estimulou o povo egípcio a desenvolver sua inteligência, para medir, calcular e planejar no período das cheias (era necessário trazer camponeses logo após as cheias e retirá-los um tempo depois, assim como afastar o povo das margens antes que o rio transbordasse. Também construíam diques para proteger a cidade de catástrofes). Tudo isso ocasionou no desenvolvimento da matemática e da geometria.
  •     A locomoção e o transporte de cargas, numa época sem estradas ou automóveis, eram feitas pelo rio, em embarcações de diversos tamanhos.


Margem esquerda do Nilo
 Curiosidades sobre o rio Nilo
  •     Os antigos egípcios o chamavam de itéru, que significava “grande rio” e também de Aur ou Ar, que significa “negro”.
    90% da civilização do Egito mora às margens do rio.
  •     As planícies irrigadas permanentemente por ele podem chegar a produzir três colheitas por ano.
  •     Existe uma polêmica entre o rio Nilo e o rio Amazonas (localizado aqui na América do Sul): alguns defendem que o rio Amazonas é o maior do mundo, outros defendem que o rio Nilo é consideravelmente maior. A cada década, surge um novo debate sobre onde realmente estariam localizadas as nascentes desses dois rios. No momento, essa discussão continua em aberto, porém o Nilo “sai na frente”, pois estudos feitos em 2009 apontam sua nascente para o rio Rukarara, atingindo assim, 7 088 km de extensão.

No decorrer das matérias do Novembro Egípcio no aWicca, poderemos ver várias ocasiões onde o rio Nilo é citado ou é palco da história do antigo e atual Egito!

Toda extensão do rio Nilo (fonte: NASA)

 Veja mais matérias do Novembro Egípcio no aWicca clicando Aqui!
Siga-nos os Bons! Twitter do aWicca
Assine nosso Feed e receba no seus favoritos novas matérias! 
Entre em contato! Pode mandar, a coruja entrega

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou? Não? Quer acrescentar algo? Comente!!!