O que é ser um(a) bruxo(a)?

Começo este texto com um trecho do livro “História da Bruxaria”:

Se você perguntar a seus conhecidos o que é uma bruxa, provavelmente eles lhe dirão que bruxas não existem. Bruxas, afirmarão eles, são personagens imaginários, representados como velhas horrorosas, com verrugas no nariz, chapéus compridos e pretos em formato de cone, montadas em cabos de vassoura, que criam gatos pretos e dão gargalhadas malignas, bastante parecidas com cacarejos. (…) Provavelmente, nenhuma bruxa, em tempo algum, jamais tenha tido as características desse estereótipo. Todavia, bruxas existem realmente. (…) Dentre as bruxas que conhecemos, nenhuma correspondeu a esse estereótipo, exceto talvez em festas à fantasia.
As bruxas e bruxos são pessoas normais. Você diferencia algum católico ou budista na rua? Pois é, com as bruxas e bruxos também é assim que funciona. É uma escolha espiritual e/ou religiosa, somente.

Existem diversas abordagens hoje sobre o que é um bruxo ou uma bruxa. Vale a pena esclarecer que usamos mais comumente o termo no feminino que no masculino, por uma simples convenção histórica. Sempre se referiu-se mais às bruxas que aos bruxos, mas para nós não há diferença, é simplesmente um hábito. Sendo assim, garotos, não se ofendam.

Abordagens que temos das bruxas e bruxos:
  1. Bruxa é o mesmo que feiticeira (abordagem antropológica e “cientificamente” aceita);
  2. Bruxas adoram o diabo (abordagem histórica da bruxaria européia e por alguns grupos religiosos ignorantes);
  3. Bruxas reverenciam deusas e deuses e praticam magia (abordagem adotada pela maioria dos bruxos modernos);
Cada um desses pontos de vista podem ser justificados. Infelizmente, quem deseja ir a fundo nessa questão encontrará pouca ajuda nos livros que existiam até pouco tempo em bibliotecas populares ou livrarias. Aos poucos, mais e mais livros sobre bruxaria vão surgindo, e a coisa vai ficando menos mistificada.
Para falar, então, o que uma bruxa (ou bruxo) é, podemos falar, antes, do que uma bruxa (ou bruxo) não é. Veja o esclarecimento de algumas dúvidas abaixo:
Bruxas(os) são a mesma coisa que curandeiras(os)?
Não. O curandeiro pratica magia, mas sua função é justamente a de combater as ameaças ou efeitos da bruxaria. No entanto, se pegarmos a palavra curandeiro e analisarmos a essência de seu significado ("curar"), veremos que muitas bruxas podem sim ser curandeiras. Preparamos chás, infusões, poções, tudo no sentido de curar, causar algum efeito no corpo. Sendo assim, vamos dizer que não, não são a mesma coisa. Mas as bruxas têm práticas de cura, sim. Não dá para generalizar. Não é 8 ou 80, como a maioria dos conceitos, realmente.
Bruxas(os) são a mesma coisa que magas(os)?
Não. Um mago é quem pratica magia. Ou seja, qualquer pessoa que pratica magia pode ser considerada um mago, teoricamente. Bruxas e bruxos também praticam magia, mas é uma magia mais específica - a magia que envolve a Natureza, os poderes naturais. E não há só esse tipo de magia. Uma pessoa pode praticar magia baseada na cabala, por exemplo. Isso não é bruxaria, só magia. Ou magia cristã. Ou magia blablabla. Existem diversas formas de magia. A Bruxaria é apenas uma delas. Sendo assim, todo bruxo é um mago da Natureza, mas nem todo mago é um bruxo, pois ele pode fazer uso de outros tipos de magia, que não a natural.
Todas as bruxas e bruxos são iguais no mundo inteiro?
Não. Existem grandes e profundas variações entre a bruxaria das diversas culturas. Por exemplo, existe uma diferença histórica entre a bruxaria européia da bruxaria em outras culturas.
Bruxas(os) estão relacionadas(os) às possessões?
Não. A possessão é um ataque interno de maus espíritos sobre um indivíduo; uma invasão energética; já a obsessão é um ataque externo e físico perpetrado por tais espíritos malignos. Em nenhum dos casos a vítima realiza um pacto voluntário com o espírito maligno. Na chamada “bruxaria diabólica” das épocas da Renascença e da Reforma européias, por outro lado, a chamada bruxa convocava o mau espírito por meio de invocações, dentre outras formas. Quase todos os bruxos modernos condenam totalmente esse tipo de prática. Ou seja: a resposta para essa pergunta é não.
Bruxas(os) praticam a “missa negra”?
Não. A missa negra é desconhecida na história da bruxaria européia e certamente não faz parte do repertório dos bruxos modernos. A única ocasião em que a missa negra foi historicamente registrada foi na corte do rei francês Luis XIV, e ainda assim como uma forma de sátira grosseira do catolicismo. Alguns satanistas modernos celebram a missa negra, mas satanismo não tem nada a ver com bruxaria, portanto, não, as bruxas e bruxos não celebram a missa negra.
As bruxas surgiram na Idade Média?
Não. As crenças nas quais as bruxas e bruxos se baseiam remontam ao período Paleolítico. As acusações de bruxaria surgiram somente no final da Idade Média. As grandes perseguições às bruxas ocorreram durante a Renascença, a Reforma e o século XVII.
Todas as bruxas são velhas?
Não. Tanto no passado quanto no presente, muitos homens praticam a bruxaria, além do que muitas bruxas eram bastante jovens, até crianças. Até hoje é assim. Essa idéia de que as bruxas são velhas e têm verrugas no nariz vem da imagem construída ao longo da história, mas que nada tem a ver com a realidade, conforme citamos no início deste texto. Há uma longa tradição artística que se estende do século XIII a Goya fixando essa imagem em nossas mentes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou? Não? Quer acrescentar algo? Comente!!!